quinta-feira, 20 de setembro de 2012

O futuro


 
 
Me perguntaram hoje o que quero do futuro.

Quero caminhar o mais longe que meus podem alcançar, e se meus pés se cansarem quero correr de moto, em alta velocidade, até sentir que posso tudo, que limites, é só um nome, é quero meu nome em letras bonitas do lado de fora de um consultório.

Quero que cada lagrima não seja só lagrimas, quero que ela me sejam lembretes de que mudanças doem na pele, que sofrer e para quem sabe reconhecer os erros, e perdas advém das escolhas e dos caminhos, mais isso não significa que preciso me perder entre as perdas e ficar nos escombros, tijolos são só tijolos, mais sonhos constroem coisas inimagináveis e nos leva as muitas estradas que ficam desenhadas nos mapas, e eu, quero ser historia, quero que alguma garota leia algum texto meu, e pense ‘’ achava que era só eu que sofria por quem não vale a pena nem a primeira letra da palavra amor’’.

Quero voar, ganhar asas, quero esquecer as dores e os medos quero abraçar de frente, porque pequena sou apenas em estatura, os medos podem ser absurdos, mais as coragens são imensas..

Quero conhecer o mundo com uma mochila nas costas..

Quero ter historia pra contar pros meus netos, quero que tenham orgulho, e aprendam a correr atrás dos idéias.

E quero também ter para quem voltar no fim da noite, parar de vagar por ai e ter chão pra chamar de meu, amor pra acolher, e ter com quem dividir meus tolos sonhos, escutar musica, e dormir serena entre braços que acolham como sou, porque posso ser ventania sem norte, mais também sou por do sol que se vai lentamente, sou o futuro que me sorri abertamente, basta querer, e em mim vontades não faltam...

Nenhum comentário:

Postar um comentário